recent posts

banner image

Identidade de gênero: Muito além da questão homem-mulher (Parte 1)

Identidade de gênero: Muito além da questão homem-mulher (Parte 1)

Salve, salve meus caros. Gostaria de iniciar algumas colocações sobre temas relacionados a sexualidade humana (orientação sexual, desejo ou motivação sexual, bem como identidade de gênero e suas expressões). Como o tema possui uma grande abrangência, vamos tentar dividir em algumas postagens para não cansar o leitor e ficar melhor organizado o entendimento.

Antes de mais Nada, vamos falar sobre gênero? O que seria gênero? Essa palavra está surgindo tanto ultimamente e quase passamos despercebidos por ela. 

GENS é uma palavra latina vem de uma fonte Indo-Europeia gen- ou gnê-, “gerar, engendrar, fazer nascer”. Dela foram formadas muitas palavras como gênese, genitor, genital e a nossa palavra chave de hoje: GÊNERO – do Latim genus, “raça, extração”. trocando em miúdos, o gênero está ligado ao genital com o qual nascemos (em sua origem etimológica).

A palavra gênero está ligado, comumente, ao sentir-se masculino ou feminino. Chamamos de Gênero Binário quando o sujeito identifica-se com o seu sexo biológico (genital) ; Pode ser chamado também de cissexual ou cisgênero, ou apenas cis.

A Organização Mundial de Saúde nos diz que gênero são "características socialmente construídas sobre mulheres e homens". Ora, se são "socialmente construídas", então estão sujeitas à mudanças. 

Agora vamos complicar um pouco. Existe uma infinidade de coisas entre o se sentir homem e o se sentir mulher. São chamados de Genderqueer (GQ; ou não-binário). O termo embarca várias identidades diferentes dentro de si para identidades de gênero que não sejam exclusivamente homem nem mulher. Ou seja:

Homem-----------------------Genderqueer-----------------------Mulher

Entre os Genderqueer podemos encontrar alguns como: 

Androgine: Mascandrógines ou butchandrógines > andrógines que se sentem mais masculinos do que femininos; Femandrógines > andrógines que se sentem mais femininos do que masculinos; Neutrandrógines ou versandrógines > andrógines que se sentem como uma mistura mais neutra entre o gênero masculino e o feminino.

Genderfluid é uma identidade de gênero mais bem descrito como uma mistura dinâmica de menino e menina. Uma pessoa que é GENDERFLUID pode sentir-se como uma mistura dos dois gêneros tradicionais, mas pode sentir-se mais menino alguns dias, e mais menina outros dias.

Maverique é um gênero completamente independente de gêneros binários e neutros. É caracterizado pela convicção interna e firme de que seu gênero está lá, mas que tal gênero não é masculino, feminino, neutro, ou qualquer uma destas combinações.

Vesper Hill, que criou o termo, escreve que maverique não é:

1- Um gênero masculino, feminino, ou relacionado de qualquer modo a um destes;

2- Ausência de gênero;

3- Apatia em relação a gênero; 

4- Gênero neutro.

Diz-se também que maveriques compartilham:Um senso de gênero independente de outros (autônomo) – como uma categoria por si só sem influência externa; Um distinto e firme senso de gênero (convicção).

Gênero-fofo possui duas definições: Alguém cujo gênero é baseado em fofura; Alguém cujo gênero é caracterizado por algo fofo (ou, ao menos, fofo para a pessoa com este gênero).

Exemplo de gênero fofo.

Neutrois (pronuncia-se nu-trruá, ne-trruá ou niu-trruá) é uma identidade que possui vários significados. O significado mais comum utilizado atualmente é gênero neutro: isto é, um gênero que não é masculino ou feminino, ou a mistura entre os dois, mas que também não é inexistente, e que é apenas caracterizado por neutralidade, onde não quer parecer nem homem nem mulher.

Neurogênero são pessoas cujo gênero é fortemente relacionado com sua neurodivergência (Exemplos de neurodivergentes são dislexia, autismo, déficit de atenção, transtorno obsessivo-compulsivo, e psicose; mas existem vários outros). 

Estes são alguns gêneros colocados, existem outros, sem contar o que não nomeia seu gênero (agênero), e também há mesclas entre eles, tais como Bigênero, trigênero, poligênego, pangênero (todos) da seguinte forma:

*Ocorrer todos ao mesmo tempo, com intensidade fixa e igual: como uma pessoa que sempre é igualmente neutrois, neurogenero e andrógine, ou seja, igualmente neutrois, neurogenero e androgine;

*Ocorrer todos ao mesmo tempo, com intensidade fixa e diferente: como uma pessoa que é 40% fofo , 40% neutrois, e 20% andrógine, ou seja, ela se identifica mais com alguns gêneros que com outro;

*Ocorrer todos ao mesmo tempo, com intensidade flutuante: como uma pessoa que às vezes é 40% fofo, 40% neutrois, e 20% andrógine, às vezes 50% neutrois, 30% andrógine e 20% neurogênero, às vezes 60% andrógine, 30% fofo e 10% neutrois, e assim por diante, ou seja, não há um pradrão mais fixo, ela se sente diferente a cada dia, uns mais pra uma coisa que pra outra, mas sem algo fixo;

*Ocorrer um de cada vez, sem estágios de transição: como uma pessoa que às vezes é 100% fofo, às vezes é 100% andrógine e às vezes é 100% neutrois, ou seja, um dia fofo, outro androgine e assim sucessivamente;

*Ocorrer um de cada vez, com estágios de transição: como uma pessoa que é andrógine, mas começa a ser mais fofo até ser 100% fofo, e que depois começa a ser mais neutrois até ser 100% neutrois, e assim por diante (não há necessariamente um ciclo definido entre gêneros);

*Sofrer mudanças irregulares: como uma pessoa que às vezes é 100% fofo, mas que começa a ser neutrois até ser 100% neutrois, e que depois começa a ser mais andrógine, e que então é neutrois e andrógine, mas neutrois começa a “virar” fofo, fazendo com que a pessoa fique com os gêneros andrógine e fofo. Então neutrois começa a aparecer novamente, e a pessoa fica com três gêneros. Mas então andrógine e neutrois ficam mais fracos, mesmo ainda estando lá, e assim por diante;

*Se manifestar em qualquer combinação das alternativas acima: é possível que uma pessoa trigênero sempre tenha dois gêneros de cada vez, ou que tenha um gênero constante enquanto os outros desaparecem de vez em quando, ou que tenha um gênero que está sempre fraco enquanto os outros variam nesse quesito, etc.


É importante frisar que gênero não tem nenhuma ligação com desejo sexual, pratica sexual, orientação sexual ou com o genital de nascimento (tudo isto veremos mais adiante), mas apenas com a maneira como a pessoa se sente. 

Outra importante colocação é que Gênero não quer dizer que há uma fraqueza ou força, ou que homens são mais adequados que fofos, ou que neutrois são mais equilibrados que mulheres, nem que um é saudável e outro doente, mas apenas que alguns estão dentro do padrão, da norma e outros não estão. A vida é cheia de diversidade, entendamos como cada um se vê e aceitemos as diferenças. O importante é ser feliz, se sentindo bem consigo mesmo.


Identidade de gênero: Muito além da questão homem-mulher (Parte 1) Identidade de gênero: Muito além da questão homem-mulher (Parte 1) Reviewed by Fala Berenice on 10:48:00 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.