Microcefalia é uma doença cármica?

Microcefalia é uma doença cármica?

Microcefalia é uma doença cármica? Há muitos casos da doença no Brasil e vem aumentando cada vez mais, mas por que isso está acontecendo? Para nós espiritas isso não é por acaso, tudo tem um porque e para que. Nas questões 132 e 133 do livro dos espíritos vemos o seguinte:

132. Qual o objetivo da encarnação dos Espíritos?

“Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para outros, missão. Mas, para alcançarem essa perfeição, têm que sofrer todas as vicissitudes da existência corporal: nisso é que está a expiação. Visa ainda outro fim a encarnação: o de pôr o Espírito em condições de suportar a parte que lhe toca na obra da criação. Para executá-la é que, em cada mundo, toma o Espírito um instrumento, de harmonia com a matéria essencial desse mundo, a fim de aí cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. É assim que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.”

133. Têm necessidade de encarnação os Espíritos que, desde o princípio, seguiram o caminho do bem?

“Todos são criados simples e ignorantes e se instruem nas lutas e tribulações da vida corporal. Deus, que é justo, não podia fazer felizes a uns, sem fadigas e trabalhos, conseguintemente sem mérito.”

Estamos em uma fase importante para a nossa evolução espiritual, devemos saber lidar com essas adversidades da vida não reclamando e sim entendendo o por que de tudo isso. Tendo o conhecimento de que os espíritos desses bebês que nascem com microcefalia, são espíritos que já viveram muitas outras vidas, com erros e acertos. E que precisam passar pela doença para evoluir e corrigir seus erros do passado, é como um processo de cura.

Hoje no centro que frequento, o Caminheiros do Bem, recebi uma folha que fala sobre o assunto, o artigo foi publicado no no Jornal do Commércio-Recife-PE deste domingo 21 de fevereiro de 2016, no espaço dedicado aos espíritas na coluna "Caminhos da Fé" de Carmam Peixoto. Achei muito interessante e quero compartilhar com vocês! Leiam na integra:

A Medicina oficial diagnostica e trata doenças físicas utilizando sofisticados recursos científicos e tecnológicos; está, portanto, apta para lidar somente com males puramente orgânicos, não observando, infelizmente, a realidade holística do ser humano. Nessa mesma linha de ação, a Organização Mundial de Saúde (OMS) ainda define saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social.

Enquanto isso, o paradigma médico-espírita amplia essa visão e preconiza que saúde é o estado de completo bem-estar biopsicossocioespiritual; considera o Homem como um ser complexo, constituído de corpo físico, perispírito (corpo espiritual) e seus corpos sutis e, sua dimensão essencial que é o ser pensante, espírito (ou alma), com prioridade para este último.

Esse modelo contempla também as chamadas doenças da alma, espirituais ou cármicas, cuja cura durante a encarnação, não é possível, na maioria das vezes. Podem ser inatas - o indivíduo já nascer com elas -, ou surgirem no decorrer da nova existência; são programadas na chamada erraticidade (intervalo entre encarnações), antes do ser renascer em novo envoltório orgânico, oportunizando a reparação parcial ou total de prejuízos causados a si mesmo e/ou aos outros, isto é, às leis de Deus.
Ademais, ainda segundo os princípios espíritas, nessa visão integral e evolutiva do ser, o espírito imortal colhe sempre o que semeou, ou seja, os frutos das suas experiências boas e equivocadas vivenciadas ao longo das inúmeras encarnações até o momento. O passado é solidário com o presente.

Essa perspectiva é diametralmente oposta ao conceito mecanicista de unicidade da existência vigente na Ciência Oficial. Segundo esta limitadíssima perspectiva, é natural que não se cogite de males de origem espiritual. Até quando essa conduta prevalecerá na prática médica?!
Com referência especifica ao título deste, vivenciamos em nossa casa uma experiência muito positiva e extremamente marcante que se caracterizou como um marco fundamental em nossas vidas: receber de Deus um filho especial - portador de microcefalia (apenas no corpo físico) -, resultante de uma má formação cerebral, causando um retardo profundo.

Além da aceitação total e da interação muito amorosa com ele durante os três anos e quatro meses da sua estadia conosco, nós (os pais) e os médicos que o acompanharam desde a Maternidade, até hoje (trinta e três anos depois), relembram com muito carinho e grande emoção as inolvidáveis cenas vivenciadas durante os sete últimos dias em que ele esteve na UTI: a neurologista e o pediatra não esquecem e vão às lágrimas ao se recordarem que ele quando ouvia a voz dos pais, se emocionava a ponto de fazer os monitores dispararem.

Após vinte anos da sua desencarnação presenteou-nos com uma linda comunicação (e neste ano, mais uma) onde (após ter sido restabelecida a sua lucidez completa) confirmava as revelações mediúnicas, de que ele assim viera, como expiação por ter cometido suicídio. Muito nos praza dizer que além de recorrermos aos tratamentos da época (1979/82), a principal terapia que adotamos foi a do Amor. Isso ele disse ter sido um bálsamo que muito o consolava!
Microcefalia é uma doença cármica? Microcefalia é uma doença cármica? Reviewed by Fala Berenice on 17:17:00 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.